O Islã

                O Islã não é uma nova religião, mas sim, a forma completa e final da religião iniciada por Deus na gênese do mundo. Assim como ensinamos o alfabeto à criança, Deus ensinou ao homem, gradualmente, e aos poucos, enviando os seus profetas em épocas diversas e junto a povos diferentes, de acordo com a capacidade de compreensão do ser humano. Quando o mundo alcançou o estágio da compreensão total, estando pronto para o ensinamento completo, Ele enviou a sua última e mais completa doutrina no Sagrado Corão através do seu mais nobre profeta, Muhammad (saw) – quem veio cerca de 610 anos após Jesus (as). Esse Livro Divino, além de corrigir os erros que penetraram nas religiões com o passar do tempo, também revela verdades nunca antes ensinadas.

AS CRENÇAS BÁSICAS DO ISLÃ

                A doutrina central do Islã é a unicidade de Allah (Deus). “Não há nenhum Deus, senão Allah”. Ele é Uno e Único. Ele é Santo e Isento de qualquer imperfeição. É o Todo Poderoso. Ele é o Criador dos universos. Ele não gera e nem é Ele gerado. No Islã existem seis crenças básicas, e esta unicidade de Deus é a primeira crença básica do Islã.

                A segunda crença é acreditar nos anjos. Eles não tem poderes de Deus, mas são criaturas Divinas que trabalham perfeitamente de acordo com a Sua vontade.

 

                A terceira crença é crer em todos os livros divinos anteriores. Como Deus é único, Ele não daria, e nem deu, ensinamentos diferentes às religiões. O que acontece é que Ele passou os seus ensinamentos à humanidade de passo em passo, de acordo com a necessidade e a capacidade de compreensão humanas. Mas, com o passar do tempo, a verdade foi, ou esquecida, ou encoberta por intervenções humanas. Além disso, alguns destes ensinamentos eram de natureza local ou temporária, e a eles um caráter universal seria posteriormente agregado. Acreditamos que o Sagrado Corão inclui e preserva todos os ensinamentos de caráter permanente e fornece ensinamentos adicionais de caráter universal, que satisfazem às necessidades dos povos de todas as nações e de todas as épocas.

 

                Da mesma forma que cremos em todos os livros Divinos, estamos também convencidos de que todas as religiões tiveram as suas origens na verdade. Acreditar na veracidade e na santidade de todos os profetas, incluindo Adão, Abraão, Moisés, Krishna, Buda, Jesus, Muhammad (que a paz esteja com todos eles) e tantos outros aqui não citados é a quarta crença. Cremos em todos eles como profetas Divinos, e acreditamos que todos eram puros e que nasceram e foram escolhidos por Deus para reformar a humanidade e guiá-la até Ele. Todos eles vieram para salvar a humanidade, mas nunca devemos esquecer que a fé sem ação é palavra morta e, por sí mesma, é insuficiente, caso não seja transformada em ação. O Muçulmano acredita na sua própria responsabilidade em relação aos atos cometidos durante esta vida. Não levantamos nenhuma barreira de discriminação entre os profetas. Tudo o que acrescentamos é que o Santo Profeta Muhammad (saw) também foi um grande profeta de Deus. Porém, devido à beleza e magnitude da sua obra, consideramo-lo o mais nobre de todos os profetas. A chegada do Santo Profeta Muhammad (saw) também completa as profecias das escrituras sagradas anteriores, como, por exemplo, a profecia revelada a Moisés (as) em Deuteronômio (18:18), sobre a chegada de um grande profeta ou aquela `feita por Jesus (as), em João (16:12-13), na qual ele afirma que, após ele, virá aquele que ensinará tudo.

 

                A quinta crença é acreditar na vida após a morte. Diferentemente do conceito de reencarnação, contudo, acreditamos que após a vida na Terra, cada um será recompensado e/ou castigado por Deus, tendo a continuação de sua vida espiritual em outra dimensão.

 

                A sexta crença é a crença no destino. Há, basicamente, dois tipos de destino: um tipo é imutável e o ser humano jamais consegue alterá-lo. Como exemplo, podemos citar a morte, que não há como evitar; o outro tipo é condicional e pode ser alterado através das obras e orações humanas.

                O Islã ensina que todos são iguais perante a Deus – independentemente de sua cor, nação ou religião – e que o mais querido à vista de Deus é aquele que mais tem amor e temor a Deus, moldando a sua vida segundo os seus ensinamentos, vivendo com respeito, humildade e dignidade, praticando a bondade, a equidade e a justiça e fazendo a sua parte para estabelecer a paz no mundo.

OS CINCO PILARES DO ISLÃ

                Quem segue o Islã se chama Muçulmano e, para praticar a religião, deve seguir cinco pilares básicos. Vale lembrar que a doutrina do Islã é valida tanto para homens quanto para mulheres sem qualquer diferença.

 

1.       Kalima (Declaração da Fé):  لَآاِلٰہَ اِلَّااللہُ مُحَمَّدٌ رَّسُوْلُ اللہِ

        Não há nenhum Deus, senão Allah, e Muhammad (saw) é o Seu mensageiro.”

2.       Salat (Preces): São cinco as preces diárias obrigatórias.

3.       Saom (Jejum): Fazer os jejuns no mês do Ramadhan.

4.       Zakat (Contribuição): De acordo com as condições prescritas.

5.       Hajj (Peregrinação): Fazer a peregrinação à Meca ao menos uma vez na vida, desde que as circunstâncias o permitam e que a pessoa tenha condições de saúde e financeiras favoráveis para fazê-lo.

Associação Ahmadia do Islã no Brasil

Estrada da Saudade, 215, Petrópolis-RJ, CEP: 25610-105

+55 (24) 2242-1385 / info@ahmadia.org.br

© 2018 Associação Ahmadia do Islã no Brasil. Todos os direitos reservados.